quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Usina Cultural comemora dez anos de fundação em Nova Friburgo


A Usina Cultural Energisa, um espaço que há dez anos vem contribuindo para o desenvolvimento da cultura de Nova Friburgo, festejou uma década de inauguração com diversas atrações no último final de semana, entre elas a abertura da exposição “100 anos de Luz e Industrialização”, que conta a história da chegada da energia elétrica e o surgimento das principais indústrias do município. Realizada pela Fundação Cultural Ormeo Junqueira Botelho e com patrocínio da Energisa, os painéis fotográficos podem ser vistos até o final do mês de dezembro, de segunda a sexta-feira, das 10h às 17h.





Responsabilidade social e a certeza de prestação de bons serviços

Para a presidente da Fundação Cultural Ormeo Junqueira Botelho, Mônica Botelho, a empresa Cataguazes-Leopoldina, proprietária da Energisa, proporciona uma excelente prestação de serviços à população: ”procuramos exercer vários papeis: oferecer serviços de qualidade; conforto; desenvolvimento econômico; além do acesso à cultura. A empresa Cataguazes-Leopoldina, por meio da Fundação, desempenha um trabalho em que a mesma não mede esforços para proporcionar arte e entretenimento aos cidadãos friburguenses”, declarou.
             

Números que comprovam o desempenho

Desde a inauguração, em 2001, até hoje, a Usina Cultural Energisa promoveu cerca de 150 shows, 80 exposições, mais de 60 peças teatrais, entre outras atividades; o público estimado ao longo destes dez anos ultrapassou 17 mil pessoas. E para comemorar o trabalho desses anos, a coordenação da Usina ofereceu gratuitamente na quinta-feira, 17, logo após a abertura da exposição, show com o grupo "Rolla Jazz", que participou da inauguração do espaço, na época. Na sexta-feira, 18, o público pode conhecer o trabalho da cantora Leila Maria, que esteve acompanhada dos músicos Rodrigo Braga, no piano, e Chico Costa, no saxofone, já conhecido do público friburguense por participar de shows na Usina.

Sábado, 19, foi a vez de jovens estudantes de teatro apresentarem-se, entre eles alunos do próprio grupo da Usina; os irmãos Guilherme e Carlos Henrique Bon, Juliana Reis, Catharina Bucsky e Jordi Marchon provocaram gargalhadas nas pessoas que estavam na platéia. Em seguida, o ator de Cataguazes, Marco Andrade (Marquim), apresentou seu espetáculo “A fábula da memória”, ele que também participou da inauguração do espaço em 2001.


Viviani Vecch, os alunos Guilherme Bon e Maria Stembruck, Elizabeth Maldonado, Marcia Kienen e Mônica Botelho

De acordo com Elizabeth Maldonado, coordenadora da Usina Cultural, “a importância das realizações deste espaço na cidade deve-se ao fato de a Usina ter como foco programações ecléticas, assim temos a certeza de que agradamos um público diversificado. Outra questão é o cumprimento do nosso papel em oferecer um espaço com toda a infraestrutura para que os artistas locais possam se apresentar. É muito gratificante ao ver as pessoas ampliarem seus conhecimentos nas artes visuais e teatrais; além de proporcionar aos freqüentadores a entrada com preços populares, quando não gratuitos. Estes são apenas alguns exemplos de nossa responsabilidade social”, destacou.  

Já para Márcia Patrícia Taranto Kienen, assessora de gestão da Energisa/NF, “a importância da contribuição da Usina Cultural Energisa para o cenário da cultura em Nova Friburgo está em trazer espetáculos de qualidade, oficinas práticas para atores, sejam eles mirins ou não; ou seja, envolver toda a sociedade neste espaço”, finalizou.

SERVIÇO
Exposição “100 anos de Luz e Industrialização”
Visitação: segunda a sexta-feira, das 10h às 17h (até final de dezembro de 2011)
Local: Usina Cultural Energisa – Praça Getúlo Vargas 55 – Centro – Nova Friburgo


Fotos: Daniel Marcus

Nenhum comentário:

Postar um comentário